Aspectos Turísticos

JUSTIFICATIVA DA ORIGEM DO NOME DA BLUMENFEST

A cultura europeia tem fortes características de povos que amam a natureza, preservam o meio ambiente e pelo bom gosto sabem organizar seus espaços, seus jardins e praças públicas.
Além de viver em harmonia com a natureza, desenvolvem o gosto artístico através do cultivo da música, da dança e outras formas de manifestar a alegria de viver.
A Alemanha é uma destas nações que pela sua tradição possui um folclore muito rico, e por sua disciplina é um povo ordeiro e trabalhador, amante da natureza e das flores.
Em 1.897 o Coronel Jacob Selbach adquiriu do Governo Federal parte das terras que constituem, hoje, o município de Selbach. A fim de promover a sua colonização, adotou alguns critérios que vieram caracterizar até hoje a nossa população. A partir de 1.905 os lotes, constituídos de minifúndios, começaram a ser vendidos a colonos alemães católicos, descendentes de colonizadores que saíam das “colônias velhas” do Rio Grande do Sul, especificamente do vale do Rio dos Sinos, Caí e Taquari.
Assim, abrigaram-se nessas glebas pessoas de fortes traços de descendência germânica, promovendo e desenvolvendo a cultura trazida da Europa, bem como, levando às novas gerações a cultura, os valores e a tradição que herdaram dos antepassados europeus, originários da Alemanha.
Foi assim que historicamente, tanto na cidade, quanto no interior, se tratou de cultivar as tradições, costumes, gastronomia e entre tudo isso o cultivo de jardins floridos em todas as propriedades, em frente às casas, cuidando do verde, onde as trocas de mudas de flores, visitando vizinhos ou parentes era uma constante. O final das visitas coroava-se com a gentileza de se passar muda de flores que a visitante ainda não tinha.
Visitantes, parentes e funcionários que vinham de fora, e/ou residiam em Selbach, sempre se impressionavam destas características. Famílias assumindo canteiros públicos, ao longo das ruas e avenidas da cidade, adotando-os e cultivando-os por longos e longos anos, colorindo a cidade e tornando-a mais aconchegante.
Periodicamente promovia-se na cidade uma feira denominada como EXPOSELBACH criada na administração do prefeito Paulo Erni Werlang. Esta festa era aproveitada para tornar a cidade ainda mais limpa e florida e a cada EXPOSELBACH, crescia o entusiasmo, incrementando a promoção com eventos culturais, especialmente de tradição germânica e atraindo visitantes, tanto pelo comércio quanto pela sua ornamentação e instalação de espaços de comércio de flores.
Foi numa destas festas que o Senhor René, então Gerente do Banco do Brasil da cidade e como presidente do Lions Clube, sugeriu transformar a EXPOSELBACH em BLUMENFEST, a Festa das Flores. A ideia foi assumida pelo então prefeito João Manoel Huppes. A partir de então começaram a surgir novas ideias, como ornamentar vitrines, sacadas com flores, guirlandas e bandeiras. Passaram a ser promovidos concursos de melhores jardins, vitrines, sacadas, emplacando-os com placas alusivas a sua classificação.
Em decorrência desta conscientização, surgiu a Associação dos Orquidófilos, surgiu o Mini Mundo Encantado na Rota das Terras do Professor José Lorivaldo Flach, um grupo folclórico chamado Nova Aliança, corais como o Coral Municipal São Gregório, o Coral Encanto Jovem da escola Estadual de Ensino Médio Adão Seger, o Coral Renascer da Melodia em Linha Floresta, o Coral Infanto Juvenil da Escola Municipal de Ensino Fundamental Aníbal Magni, grupo de teatros como o da Cia. De Artes, o Museu Municipal Olindo Feldkircher, o CTG Estância do Imigrante, a Associação dos Artesãos, Honigecke (Recanto do Mel), Haras Pinno, o Camping Vale Verde e Cristal, movimentos estes, todos criados em função da Blumenfest- A Festa das Flores, em Selbach, na sua XII edição, em 2015.

Aspectos Municipais do Turismo
Selbach que já foi conhecida como capital da Fé, deve este título ao imigrante pioneiro, pois o colonizador Coronel Jacob Selbach optou em vender lotes de terras sob a condição do comprador ser colono e católico; A Fé e a esperança sempre foram divididas com amor e fraternidade.


Gruta nossa Senhora de Lourdes:
A Gruta Nossa Senhora de Lourdes surgiu em 1956. O Senhor Pedro Back teve um sonho, ele se viu em um jardim, diante da imagem de Nossa Senhora de Lourdes e Santa Bernadete, em seguida construiu uma gruta para concretizar esse sonho, a mesma foi inaugurada em 06 de dezembro de 1956. Como o lugar sofria com constantes cheias, a gruta teve que ser construída em um lugar mais alto e próximo a estrada. A reinauguração, deu-se em 08 de dezembro de 1961, os padrinhos da atual gruta são o Sr. Thomas Hammes e a Srª. Alvina Weber. Todos os anos é realizada uma procissão, no fim de semana mais próximo ao dia 08 de dezembro, em virtude de ser dia de Nossa Senhora de Lourdes. A gruta é diariamente visitada por pessoas devotas, a fim de agradecer graças alcançadas ou simplesmente orar.


Santuário Nossa Senhora da Saúde:
Ambiente de muita Devoção e Fé, localizada na Linha Santa Fé e inaugurada em 23 de abril de 2004. A Devoção a Nossa Senhora da Saúde surgiu a partir da peste Negra que atingiu Portugal no Século XVI, atingindo 80% da população. Ao se perceber que os auxílios humanos falharam, recorreu-se a divindade, Mãe de Deus Saúde dos Enfermos, deu-se ai uma queda significativa da mortalidade, a partir daí organizou-se uma procissão festiva no dia 20 de abril em homenagem a Virgem Maria, que dera o nome de Nossa Senhora da Saúde.
Distante dois quilômetros da cidade, com a estrada totalmente pavimentada e sinalizada. O empreendimento não integra nenhum roteiro turístico, porem é muito visitada por pessoas devotas. Tem amplo espaço para alimentação, instalação sanitária. O acesso é gratuito, mas é preciso prévia autorização.
Todos os anos, acontece no dia da festa que acontece em abril a Romaria,que sai da Igreja Matriz São Tiago e percorre dois quilômetros até o Santuário e tem a participação de mais de 1500 pessoas. Tem-se observado que a cada ano esse número aumenta significativamente.


Igreja Matriz São Tiago:
Em 1911 foi construída a primeira capela denominada São Jacó, a mesma também servia de escola. Em 1914, Selbach foi elevada a categoria de Paróquia, sendo o primeiro vigário o Sr. José Junges.
Em 1921, iniciou-se a construção da atual igreja feita de alvenaria. Foram anos de sacrifício pesado, as famílias davam tudo de si, muitas contraíram dívidas para integralizar as construções, outros dedicaram meses de trabalho, transportando material ou até mesmo trabalhando na obra. A construção parou por dois anos, devido o alicerçamento e finalmente inaugurada em 28 de outubro de 1928.
Em 1929 os padres franciscanos instalaram residência em Selbach, e tinham como objetivo educar e ensinar a religião. Já em 1932, a Capela São Tiago (da Colônia Coronel Selbach) sediou o 15º Congresso dos Católicos Alemães do Rio do Sul. Em 1938, o Bispo Dom Antônio Reis de Santa Maria cria a Paróquia São Tiago.
Religiosos que atuaram na Paróquia São Tiago:
- Padre José Junges- 1914
- Padre Bruno Linden
- Polycarpo Shuem (supervisão Não- Me-Toque)
- Padres Franciscanos – 1929
- Padre Agnello Topheide – 1930
- Padres Seculares- 1945
- Padre Thomas Karsten
- Padre Claudino Avelino Bervian – 1955 até 2010
- Padre Domingos Pergher - Auxiliar do Padre Cláudio 23/02/2002
- Padre Osório Serrão (02-02-2004)
- Padre Aloísio Felipe Werlang - 13/01/2007
A Igreja Matriz São Tiago possui um órgão que é considerado uma verdadeira relíquia. É uma peça que ainda embeleza o ambiente da Igreja, fabricado em cedro, com 350 flautas de alumínio, dois teclados manuais e um teclado pedaleira.
Por iniciativa do Sr. Aluisio Haunss, (músico, regente e também compositor) e com o apoio do Vigário Padre Claudino Avelino Bervian, a diretoria da Igreja buscou possibilidades de adquirir um órgão de tubos. O contato foi feito com um fabricante de Novo Hamburgo e através de doações da comunidade, realizações de rifas e festas se adquiriu o dinheiro suficiente para a sua aquisição. Finalmente instalado em 4 de Janeiro de 1959, mediante missa festiva. O Sr. Aluisio Haunss, foi o primeiro a tocar no instrumento, o hino “Grosser Gott, wir loben Dich”.
No ano de 2000 a Igreja Matriz São Tiago foi totalmente restaurada (pintada), tanto por fora quanto por dentro. Além de ter sido feito reparos e melhorias, possibilitando também a participação de deficientes. Os recursos foram adquiridos através de doações feitas novamente pela comunidade de Selbach. Os vitrais também foram recuperados e as famílias que os adotaram foram homenageadas com uma placa honrosa abaixo de cada vitral. A porta frontal foi substituída por uma dupla entalhada em madeira, de um lado temos a Santa Elizabeth, sendo doada pela Associação Santa Elizabeth e de outro o Padroeiro São Tiago, doado pela família Fecrei – Fábrica e Comércio Reichert.


Monumento do Imigrante:
Localizado no centro da Praça João XXIII. Foi implantado para homenagear os alemães pela passagem do sesquicentenário da imigração alemã no Estado do Rio Grande do Sul. Monumento instalado em 1974.


Biblioteca Pública Municipal de Selbach
A Biblioteca Pública Municipal foi criada pelo decreto nº. 01 de 13 de maio de 1970. Passou por vários lugares e atualmente localiza-se na Rua XV de Novembro – 475, em um Prédio considerado histórico, porém não tombado como patrimônio histórico cultural. A casa, datada em 1931, foi restaurada durante a administração de 1997-2000.
Na Biblioteca Pública Municipal ha uma biblioteca pedagógica, juntamente com livros infanto-juvenis e uma sala reservada e específica para pesquisa.
Na recepção estão disponíveis os livros de autoajuda de diversos autores. Disponibiliza para o povo selbachense um computador com acesso à internet, em especial para estudantes, mediante prévio agendamento.
Esse estabelecimento destina-se á atender no que se refere à leitura e pesquisa. Possui um vasta literatura brasileira e estrangeira e tem por objetivo contemplar todas as faixas etárias de ensino.
O horário de funcionamento de manhã é das 07h30min horas às 11h30min horas no turno da tarde é das 13h30min horas às 17 horas, de segunda a sexta feira.
Vale a pena lembrar que ler é importante, é sadio além da aquisição de conhecimento.
Monumento Comemorativo
Localização: Trevo de Acesso Principal da Cidade de Selbach – RS 223
Justificativa: Toda a sociedade tem a obrigação de resgatar a história de seus antepassados, como forma de reconhecimento pela contribuição. Neste sentido, a melhor forma que registra o reconhecimento, é a construção de um marco histórico significativo, exposto ao público e que seja de um material consistente para uma longa duração mesmo exposto a interpéries.
Povo que não tem nem um monumento, é um povo que peca quanto ao reconhecimento aos antepassados, bem como não tem consciência de uma caminhada presente e nem futura.
Desta forma, o Monumento exposto no Trevo da RS 223, que dá acesso á cidade de Selbach, tem o objetivo de registrar o reconhecimento da sociedade selbachense, no ano em que se comemora 100 Anos de Colonização Alemã no Município, pela contribuição no desenvolvimento cultural, bem como de todos os valores que fazem parte, ainda hoje, como forma de vida de nossa população.
Descrição Significado
No ponto central uma araucária , que simboliza a mata virgem que cobria essas terras, cujo a riqueza principal era o pinheiro brasileiro, e que traduz o primeiro ciclo, Ciclo da Madeira, que solidificou a colonização.
As figuras humanas são homenagem que tributamos aos nossos desbravadores, descendentes de imigrantes alemães, que vinham das assim chamadas colônias velhas, região no Rio Grande do Sul, onde se fixaram aos imigrantes que vinham da Alemanha. Além destes significados, a expressão corporal das figuras humanas traduz a vocação de buscar novos horizontes das mais diversas regiões do Brasil, que caracterizam de forma definitiva o imigrante alemão como vocacionado a ser um eterno semeador, onde a religião, a educação, a cultura e a coragem são a marca de cada história heroica.
Cada figura humana sustenta um instrumento que caracteriza as principais atividades e valores cultivados pelos nossos colonizadores.
a-) A cruz simboliza a fé cristã, católica que deveria ser professada pelos primeiros povoadores da região e que, ainda hoje, é vivenciada pela comunidade selbachense.
b-) O livro caracteriza a educação, que foi das maiores preocupações dos desbravadores, em estabelecer escolas que atendessem não só a necessidade de alfabetizar e aprender cálculos, mas também a aprender o catecismo e apegar-se aos valores.
c-) O machado, principal instrumento usado na abertura das primeiras clareiras na mata virgem para fazer brotar “a rima perfeita do chão, do grão e do pão”
d-) A bandeira, simboliza a origem do povo que deu início a história desta comunidade, e consequente contribuição da cultura e valores que consolidaram o progresso dessa terra.

Casa Urban e Mini Parque Encantado Rota das Terras
Resgate da História de uma família alemã

A Casa Urban é um verdadeiro museu. Mostra peças interessantes e de grande valor sentimental que retratam os costumes e como viviam as famílias selbachenses no passado. Imigrantes alemãs que por aqui desbravaram e que com o passar dos anos escreveram a sua própria história, sem perder seus costumes e estilo, história que passa de geração para geração.
Manter vivo o passado é assegurar que no presente possamos recordar o que nossos antepassados viveram e passaram preparando nosso futuro.
Inaugurada oficialmente em outubro de 2005, a Casa Urban e o Parque Encantado Rota das Terras, vêm recebendo visitas diariamente. Seu idealizador, o professor José Lorivaldo flach, o empreendimento já recebeu visitantes de diversos países, entre eles Alemanha, Estados Unidos, México, Paraguai, Uruguai, Argentina, além de excursões de escolas, grupos de terceira idade, universitários de diversos lugares do estado/ país.
O Mini Parque Encantado possui 35 mini prédios, sendo 9 capelas do interior do município e também a Igreja Matriz São Tiago, além réplicas de prédios antigos retratados por fotos, que hoje não existem mais. Estes mini prédios estão colocados dentro do mapa do município, incluindo as vilas da cidade e interior como começaram, conforme estilo alemão.
Atualmente possui registros e réplicas não só do município e Selbach, como também de municípios vizinhos que formam a região do Alto Jacuí.

Recanto do Mel – Honigecke
Sala do Artesão de Selbach
Iniciou suas atividades em 15 de fevereiro de 2000, graças à garra, determinação, força de vontade e principalmente coragem que a família Werlang pôs para concretizar o empreendimento.
Recanto do Mel é uma construção típica, com características da cultura alemã, oferece café colonial, mostra e venda de produtos coloniais, bem como uma vasta gama de peças artesanais produzidas no município e região, oferece serviços de lancheria e almoço.
Juntamente dom o Recanto do Mel – Honigecke tem exposição permanente de trabalhos dos artesões de Selbach, pinturas, bordados, biscuit, hardanger, macramé, trabalhos em couro e madeira, jornal entre tantos outros produtos.
Tem como objetivo mostrar e vender ao turista do Rio Grande do Sul, Brasil e até exterior o que Selbach e a Região Rota das Terras tem de melhor. Localiza-se na Rs 223. Km 37. Fone: (054) 3387-1205.


Haras Pinno
Em uma área de 5 ha, está construída o Haras Pinno. Aloja diversos cavalos em condições excepcionais, construído pelo próprio proprietário e sua equipe, com uma estrutura que da condições necessárias para exercer bem a função. Na limpeza e organização deixam evidente a eficiência e o retorno mediato a proposta deste empreendimento. No local, também existe uma edificação em formato circular construída para servir de apoio às atividades de manutenção aos cavalos.
A área apresenta acessos configurados, cercas externas e cercas que delimitam as atividades desenvolvidas. Organiza cavalgadas de médio e grande percurso pela região entre outros, participa da Cavalgada Rota das Terras.
Possui um quiosque para recepcionar os visitantes que queiram conhecer e compartilhar os costumes campeiros e tradicionais da região, bem como para eventos de integração entre os proprietários e os donos dos cavalos, através de rodas de chimarrão, bebidas geladas e pequenos lanches que dispensem fogão e cozinha.
Reprodutores quarto de milha, centro de comercialização de potros, domas racionais, pista de rodeio com hotel para cavalos, cavalgadas ecológicas, trabalho com crianças da APAE e terapia para crianças.
Localizado na linha Santa-Fé a três quilômetros da cidade, estrada totalmente pavimentada.

Camping Vale Verde
Localizado a seis quilômetros da RS 223, sentido distrito de Linha Floresta. Ambiente hospitaleiro, onde você pode desfrutar da natureza, trilhas ecológicas, cabanas, piscina, campos de futebol e vôlei. Fone: (054) 3387-1417.

Museu Municipal Olindo Feldkircher
O Museu Municipal foi criado em 1981, através da lei nº 258/81, então denominado de Museu Humberto Urban. Atualmente, através da lei municipal nº 2323/2005, o museu passou a denominar-se Museu Municipal Olindo Feldkircher.
O Material que esta disponível no museu foi adquirido através de gincanas, doações particulares, com o objetivo de mostrar como tudo começou. O Museu possui um vasto número de utensílios, desde vestuário, bibliografias, livros em alemão, partituras, dicionários, Bíblia..., classes escolares, lousa, utensílios de cozinha (xícaras, chaleiras, talheres, gamelas, panelas...), utensílios agrícolas...
O Museu recebeu este nome para homenagear o Senhor Olindo, uma vez que ele trabalhou na comissão emancipacionista do Município, como secretário, professor do então Ginásio Paroquial São Tiago, membro atuante da Paróquia São Tiago, Sócio Fundador do Clube Aquático Royal, integrante do Coral Municipal São Gregório e aposentou-se como funcionário municipal.
O Museu Municipal Olindo Feldkircher, esta localizado na Rua XV de Novembro, nº 475, em anexo ao Departamento de Cultura e Turismo. Telefone para contato: (054) 3387- 1144.